Tendências na área ambiental para 2021
Tendências na área ambiental para 2021
Tendências na área ambiental para 2021
28/12/2020

A área ambiental está em constante expansão e quem é do setor sabe que a inovação é sempre bem-vinda, por isso precisamos estar sempre ligados nas tendências que vêm surgindo no mercado. 

 

Quer saber mais? Preparamos 5 tendências fresquinhas para 2021, então bora lá!

1-ECONOMIA CIRCULAR

Com certeza você já ouvir falar aquela famosa frase de Antoine Lavoisier - “na natureza nada se cria nada se perde tudo se transforma”, não é mesmo? Pois então, é assim que a funciona a dinâmica do planeta, onde os materiais orgânicos nascem, morrem e são degradados transformando-se em energia novamente para o ambiente, como um ciclo

A economia circular é um conceito baseado na inteligência da natureza e que se opõe ao processo produtivo linear, onde os resíduos são insumos para a produção de novos produtos. No meio ambiente, restos de frutas consumidas por animais se decompõem e viram adubo para plantas. Esse conceito também é chamado de cradle to cradle (do berço ao berço), onde não existe a ideia de resíduo, e tudo serve continuamente de nutriente para um novo ciclo.

Como exemplos de economia circular temos:

 

1.1 Resale.

Uma prática bastante interessante para economia circular, é a Resale (ou, em português, Revenda) que é a revenda de produtos de segunda mão. 

Foi publicado recentemente pela revista Vogue que o mercado de revendas está em expansão e “Enquanto as vendas do varejo geral devem diminuir 23% em resposta à pandemia, o mercado de segunda mão deve crescer 27%, de acordo com o 2020 Resale Report. Olhando mais adiante, a projeção é que, nos próximos cinco anos a revenda online crescerá 414%, enquanto o varejo geral diminuirá 4%.” 

Com isso, não há dúvida que a incerteza econômica e a tendência de consumo que valoriza comprar menos e melhor vem fazendo o setor de revenda crescer cada vez mais e isso pode ser o futuro do varejo.

 

1.2 Totens GreenWins

Outro exemplo bastante interessante e inovador de economia circular, são os totens inteligentes desenvolvidos pela empresa GreenWinsTM.

Esses terminais coletam diferentes materiais recicláveis (latas, garrafas plásticas, remédios vencidos, embalagens, copos plásticos, baterias, pilhas, telefones celulares e cápsulas de café, dentre outros.) e, ao mesmo tempo, oferecem um espaço de mídia exclusivo. Esses terminais podem ser personalizados para receberem diferentes materiais e também serem programados para oferecer recompensas variadas aos clientes, decorrentes de suas ações responsáveis. Isso os encorajará a adotar práticas favoráveis a um estilo de vida mais sustentável.

 

2-SERVIÇOS ONLINES

Com a crise que a pandemia de 2020 causou, muitas empresas e profissionais tiveram a necessidade de se reinventar, desde tornar online seu negócio que antes era apenas presencial, quanto encontrar novas oportunidades e inovar, o que ocasionou a extinção de algumas profissões e o surgimento de outras.

Muitas atividades online irão permanecer pós crise, isso devido a praticidade que o online trás. Além da diminuição de custos, pois quanto menos funcionários na empresa, menos gastos, menos consumo de elevador, ar condicionado, iluminação, cafézinho... E, no final das contas,  uma economia considerável, não é mesmo?!

Nossa dica, principalmente para quem é da área ambiental, é a busca por conhecimento para ingressar nessa nova tendência. Investir em cursos onlines para seu aprimoramento pessoal e profissional como os que são oferecidos pelo Smart Eco é uma ótima sugestão.

 

3-SISTEMAS AGROFLORESTAIS

Mas já imaginou um sistema que permite produzir alimentos sem degradar o meio ambiente?

Os Sistemas Agroflorestais (SAFs), ou simplesmente, agrofloresta, são sistemas de uso da terra em que as árvores interagem com os cultivos agrícolas e/ou animais, simultânea ou sequencialmente, de modo a aumentar a produtividade total de plantas e animais de forma sustentável por unidade de área.

 

Embora essa técnica não seja tão atual, muitos proprietários estão dando mais atenção nesse potencial de suas terras, e com isso proporcionando mais valoração ambiental a elas.

 

4 -  CIDADES INTELIGENTES

As smart cities utilizam da tecnologia da informação e comunicação (TIC) para o seu desenvolvimento sustentável, com soluções para todas as vertentes como: economia, segurança, saúde pessoas, governança, mobilidade, meio ambiente e qualidade de vida.

As principais tecnologias usadas na criação da infraestrutura de uma cidade inteligente são:

Internet das Coisas: possibilita a conexão de objetos do cotidiano, tais como lâmpadas para iluminação pública, semáforos de trânsito, sensores de qualidade de água e ar, câmeras de vídeo, etc. à rede Internet. Alguns exemplos são: detecção se latas de lixo estão cheias, monitoramento de barulho perto de áreas críticas como escolas e hospitais e o monitoramento do uso de energia elétrica e água em Casas Inteligentes.

Big Data: é um conjunto de técnicas e ferramentas para o armazenamento e manipulação de conjuntos de dados muito grandes, onde tecnologias tradicionais, como bancos de dados relacionais e ferramentas de processamento sequencial, não suportam o vasto volume de dados. Por exemplo, dados que são gerados por sensores periodicamente sobre as condições da cidade como temperatura, qualidade do ar e pluviometria, dados gerados por cidadãos através de telefones celulares e redes sociais e veículos como ônibus que podem enviar periodicamente sua posição e velocidade para aplicações.

Computação em Nuvem: fornecendo um ambiente escalável e elástico que suporte a grande demanda de recursos computacionais necessários em uma cidade inteligente. Os dados podem ser colhidos por uma rede implantada com as ideias de Internet das Coisas e enviadas para a infraestrutura de Computação em Nuvem, onde os dados podem ser processados utilizando ferramentas de Big Data. Essa combinação ajuda a oferecer diversos requisitos não-funcionais importantes como escalabilidade, elasticidade e segurança.